Empresa de Carteirinha Estudantil em Cajati SP é na CardPress!

Home / Carteirinha Estudantil / Empresa de Carteirinha Estudantil em Cajati SP

 

Carteirinha estudantil CardPress

A carteirinha estudantil é muito importante para os estudantes, pois além de identificá-los no acesso a instituição de ensino, garante o desconto de 50% em diversos estabelecimentos.

 

Se você está procurando Empresa de Carteirinha Estudantil em Cajati SP, você chegou ao lugar certo!

Carteirinha em Promoção

A CardPress está pronta para auxiliar a sua Instituição em todo o processo para confecção das carteirinhas dos alunos.

Confira algumas vantagens:

  • Criação do layout de acordo com o padrão estabelecido pelo Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI)
  • Sistema para validação da autenticidade da Carteirinha através de QR-CODE
  • Sistema on-line para captura ou importação dos dados para confecção das carteirinhas, inclusive as fotos.
  • Possibilidade de irmos até a sua instituição coletar as os dados e imprimir as carteirinhas no hora!
  • Agilidade na entrega, mesmo nas solicitações de segunda via.

 

As carteirinhas serão impressas em cartão plástico PVC de alta resistência e durabilidade, nosso prazo médio de produção é 24 a 48 horas.

 

Contamos com diversos pontos de apoio espalhados pelo Brasil capazes de atender a sua necessidade de Empresa de Carteirinha Estudantil em Cajati SP.

 

Informamos que atendemos apenas instituições de ensino para este produto, não fornecemos Carteirinha Estudantil diretamente para pessoa física (não insista).

 

Fale conosco e tire todas as suas dúvidas: (11) 2626-1369 (Fone/WhatsApp - Atendemos todo o Brasil)


Quer uma estimativa de quanto custará seu projeto de cartões PVC?

 

Veja as ofertas que temos de Empresa de Carteirinha Estudantil em Cajati SP:

  • Carteirinha Estudantil -

    Carteirinha Estudantil - 100 unid

    Cód.37

    Compre agora
  • Carteirinha Estudantil -

    Carteirinha Estudantil- 250 unid

    Cód.47

    Compre agora
  • Carteirinha Estudantil -

    Carteirinha Estudantil 500 unid

    Cód.60

    Compre agora

 

Você pode nos enviar pedidos conforme a sua necessidade, não é obrigatório enviar a quantidade total para produção.

Como comprar crachás em PVC

Como comprar crachás


Preencha os campos abaixo, e ligamos pra você:

 

Produtos relacionados

Empresa de Carteirinha Estudantil em Cajati SP. Os melhores preços e atendimento você encontra aqui!



Estados atendidos pela CardPress



Notícias da última hora:

    • 28/01/2020 12:47
      VÍDEOS: Bom Dia Tocantins de terça-feira, 28 de janeiro
    • 28/01/2020 12:46
      Universitária de Petrópolis, RJ, é selecionada para curso de moda em Milão
    • 28/01/2020 12:45
      150 famílias são retiradas de área invadida em Cuiabá
    • 28/01/2020 12:45
      Moradores da região do Corta Corda cobram da Semap melhorias em saneamento e estradas
    • 28/01/2020 12:44
      Homem é condenado por estelionato sentimental ao fazer empréstimos no nome da ex-mulher e depois abandoná-la em Cuiabá
    • 28/01/2020 12:42
      Motorista é preso com arma e munições em Taquarivaí
      Ainda conforme a polícia, homem levava mais de R$ 47 mil em uma bolsa. Ele foi levado à delegacia, onde pagou fiança e foi liberado. Um homem de 55 anos foi preso na noite de segunda-feira (27), em Taquarivaí (SP), por porte ilegal de arma. Segundo a Polícia Rodoviária, um revólver calibre 38, 11 munições intactas e sete que já tinham sido usadas foram encontrados no porta-luvas do carro. A arma não tinha registro. A apreensão foi feita durante uma fiscalização na praça de pedágio da Rodovia Francisco Alves Negrão. Ainda segundo a polícia, o motorista estava em um carro com placa do Rio Grande do Sul e ficou nervoso durante a abordagem. Em uma bolsa também foram encontrados mais de R$ 47 mil. Para a Polícia Rodoviária, o suspeito disse que iria usar o dinheiro para fazer compras em São Paulo. O homem foi levado à delegacia de Itapeva, pagou fiança e foi liberado. Veja mais notícias no G1 Itapetininga e Região
    • 28/01/2020 12:42
      Seduc divulga resultado da pré-matrícula para escolas do Cepa, em Maceió
    • 28/01/2020 12:41
      Minas tem 50 mortes por causa da chuva dos últimos dias, diz Defesa Civil
    • 28/01/2020 12:41
      Confiança da construção sobe e tem maior nível desde maio de 2014
    • 28/01/2020 12:39
      Suspeito de participar do assassinato do prefeito de Granjeiro, no Ceará, é preso no Maranhão
    • 28/01/2020 12:37
      Cinco escolas públicas do DF fecham as portas na volta às aulas
    • 28/01/2020 12:36
      Projeto de concessão do Parque Nacional de Chapada (MT) à iniciativa privada deve ser apresentado em março
    • 28/01/2020 12:36
      Oscar 2020: Academia divulga foto de encontro anual de indicados
    • 28/01/2020 12:36
      Pai e filho são assassinados dentro de casa em Caçador
      Crimes aconteceram por volta das 19h de segunda-feira, no bairro Bello. Pai e filho foram mortos a tiros no início da noite de segunda-feira (27) em Caçador, no Oeste catarinense. As vítimas estavam dentro de casa, localizada próximo à escola Graciosa, no bairro Bello, e foram encontradas por volta das 19h. Ninguém foi preso. De acordo com a Polícia Militar, o pai, identificado como Eugênio Fernandez, foi encontrado morto em um dos quartos do porão da casa. O filho, identificado como Igor Gabriel Fernandez, foi encontrado ainda com vida, na escada da casa, com um tiro nas costas e outro no peito. Ele chegou a ser atendido por socorristas do Serviço do Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e encaminhado ao hospital Maicé, mas morreu a caminho da unidade. Pessoas que estavam próximas ao local teriam relatado que ouviram quatro tiros. Conforme a PM, ao ser acionada para a ocorrência, a equipe recebeu a informação de que os disparos teriam sido feitos por dois homens em um carro. Até as 9h desta terça-feira, ninguém havia sido preso pelos crimes. O caso está sendo investigado pela Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Caçador. Veja mais notícias do estado no G1 SC
    • 28/01/2020 12:34
      Nas primeiras semanas do surto, casos do novo coronavírus superam os da epidemia Sars de 2003
    • 28/01/2020 12:33
      Navios do Porto do Itaqui são monitorados para evitar coronavírus no Maranhão
    • 28/01/2020 12:33
      Homem é morto a tiros dentro de casa em Sirinhaém, no Litoral Sul
    • 28/01/2020 12:33
      Nível do Rio Paraúna sobe sete metros e 90 moradores ficam desalojados em Presidente Juscelino
    • 28/01/2020 12:32
      Inscrições para cursos de iniciação profissional estão abertas em Uberaba
    • 28/01/2020 12:32
      Falta de sinalização próxima a estação de trem preocupa moradores de Várzea Paulista
    • 28/01/2020 12:31
      Deputados de MT voltam ao trabalho e votam alteração nas regras da aposentadoria e cota zero
    • 28/01/2020 12:30
      Queda da taxa Selic e mudanças no sistema de financiamento aquecem venda de imóveis
    • 28/01/2020 12:29
      Timbalada está entre as atrações do carnaval da Barra dos Coqueiros; confira a programação
    • 28/01/2020 12:27
      Veículos de transporte escolar da PB vão precisar divulgar número de telefone para reclamações
    • 28/01/2020 12:27
      Nível do Rio Doce registra queda em Governador Valadares e órgãos pedem doações para as vítimas
    • 28/01/2020 12:26
      Unidades móveis do Hospital de Amor registram baixa procura por exames gratuitos de mamografia
    • 28/01/2020 12:25
      Confira as 90 vagas de emprego disponíveis para esta terça-feira (28)
    • 28/01/2020 12:25
      Bandidos rendem tio e sobrinha de 7 anos, os deixam em matagal e fogem com carro: 'Chorava com frio e medo'
    • 28/01/2020 12:25
      Brasil diz que não pode tirar cidadãos de área com coronavírus, mas outros países têm planos para isso
    • 28/01/2020 12:25
      Trecho da Avenida Oceânica, em Salvador, terá tráfego modificado no período noturno
      Trecho entre o Ondina Apart Hotel e o Largo do Camarão será interditado entre às 21h e às 5h do dia subsequente para avanço das obras de requalificação que acontecem no local. A partir desta segunda-feira (27), a via marginal da Avenida Oceânica, no trecho entre o Ondina Apart Hotel e o Largo do Camarão, será interditada entre as 21h e as 5h do dia subsequente para avanço das obras de requalificação que acontecem no local. Quem trafega pelo trecho interditado terá como opção utilizar a via principal, que funcionará provisoriamente como mão dupla. O acesso de moradores às residências localizadas no trecho interditado estará garantido mesmo no período de interdição. Agentes de trânsito estarão pela região para orientar os condutores que passam pelo local. Veja mais notícias no G1 Bahia.
    • 28/01/2020 12:24
      Forte chuva atinge Manaus e Defesa Civil registra ocorrências
    • 28/01/2020 12:23
      Inscrições para escolas públicas estaduais podem ser feitas no Poupatempo
    • 28/01/2020 12:23
      Após 4 anos, policial federal que matou jovem com tiro em boate no AC deve ir a júri popular
    • 28/01/2020 12:23
      VÍDEOS: Bom Dia Cidade de Bauru e Marília desta terça-feira, 28 de janeiro
    • 28/01/2020 12:21
      Mulher é morta com golpes de marreta pelo marido em Nova Serrana
      Homem de 42 anos disse à PM que usou drogas horas antes de cometer o crime nesta terça (28). Uma mulher de 40 anos foi morta a golpes de machado nesta terça-feira (28), em Nova Serrana. Segundo a Polícia Militar (PM), o marido dela, de 42 anos, se entregou, confessou o crime e disse que usou drogas antes de matá-la. O homem afirmou que usou cocaína horas antes. Ao chegar em casa sob o efeito da droga, arrombou a porta que estava trancada e foi até à esposa. A mulher teria tentado se esconder no banheiro, mas o marido foi atrás dela, e a agrediu com golpes de machado na cabeça. A polícia não informou se houve uma discussão entre o casal antes da agressão. Após o crime, segundo a polícia, ele saiu da residência. No local, os militares encontraram a vítima caída no chão do banheiro, com diversos ferimentos. Uma equipe do Corpo de Bombeiros também esteve na residência, mas a mulher não resistiu e morre no local. A perícia da Polícia Civil também foi até a casa e liberou o corpo para a funerária. O homem foi detido e o machado utilizado no crime apreendido.
    • 28/01/2020 12:19
      Backer suspende atividades do Templo Cervejeiro, em Nova Lima, na Região Metropolitana de BH
    • 28/01/2020 12:19
      'Nenhum país está protegido de receber alguém com coronavírus', diz brasileiro diretor de agência da ONU
      Novo vírus descoberto na China parece ser menos letal e menos transmissível do que outros por trás de epidemias recentes, diz Jarbas Barbosa, diretor-assistente da Organização Pan-Americana de Saúde, mas países precisam estar alertas e preparados para lidar com surto. Número de mortos na China por coronavírus chega a 106 Descoberto em dezembro na China, um novo tipo de coronavírus já infectou milhares de pessoas e provocou dezenas de mortes no país, além de ter chegado a mais de uma dezena de outros países, o que colocou autoridades de todo o mundo em estado de alerta. Coronavírus: O que se sabe e o que ainda é dúvida sobre o novo vírus que surgiu na China OMS corrige e eleva a avaliação de risco internacional do coronavírus Número de mortos por coronavírus na China chega a 106 O 2019-nCoV, como é chamado oficialmente, faz parte de uma ampla família de vírus dos quais sete podem ser transmitidos a seres humanos por animais e causar desde um resfriado comum até problemas respiratórios que levam à morte. Os coronavírus estiveram por trás de duas epidemias graves recentes. A Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars, na sigla em inglês) matou 774 das 8.098 infectadas em 2003. Já a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (Mers, na sigla em inglês) matou 858 dos 2.494 pacientes identificados, em 2012. Mas, até o momento, o novo coronavírus parece ser menos letal que seus antecessores e ter uma capacidade limitada de transmissão entre pessoas, explica o médico sanitarista e epidemiologista brasileiro Jarbas Barbosa. Barbosa presidiu a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) entre 2015 e 2018 e atualmente é diretor-assistente da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), braço regional nas Américas da Organização Mundial da Saúde (OMS), agência especializada em saúde pública da Organização das Nações Unidas (ONU). À BBC News Brasil, Barbosa diz que o fato de ser um vírus novo e desconhecido até há pouco tempo é motivo de preocupação, porque cientistas ainda não podem afirmar ao certo como ele continuará a se comportar após ter infectado seres humanos. "Já vimos que os coronavírus têm uma capacidade de sofrer mutações rapidamente, porque, no intervalo de 16 anos, é o terceiro desta família de vírus que surge", diz. Mas Barbosa explica que, desde o início dos anos 2000, novos regulamentos sanitários internacionais foram colocados em prática, o que permite uma reação mais rápida e eficaz a surtos deste tipo ? o que é vital, por ser considerado provável que mais epidemias causadas por novos vírus eclodam num futuro próximo. Confirma a seguir os principais trechos da entrevista. BBC News Brasil - Este coronavírus era desconhecido até dezembro passado. Desde então, o que descobrimos sobre ele? Barbosa - Esse coronavírus é um novo membro de uma família muito grande de vírus, que já são conhecidos há muito tempo. Normalmente, são vírus que circulam em animais, mas, em algumas ocasiões, determinadas variedades saltam a barreira entre as espécies e infectam humanos. Já tivemos duas situações de surtos importantes com coronavírus no passado. Desde 31 de dezembro, quando este novo coronavírus foi comunicado pelo governo da China à OMS, estamos acompanhando de perto, porque se trata de uma nova variedade e é preciso olhar com atenção as informações que surgem. Mas algumas características dele já estão bem estabelecidas. Primeiro, é possível haver transmissão entre pessoas. Segundo, esse vírus é capaz de produzir um espectro amplo de doenças, desde casos leves que se assemelham a um resfriado comum até casos mais graves em que há um quadro de pneumonia que pode levar à morte. Terceiro, parece ser menos letal do que eram os vírus da Sars e da Mers. Para este esse novo vírus, estamos falando em 3% de letalidade enquanto que com os da Sars e Mers chegava a 30% ou mais. E quarto, pessoas de mais idade e quem têm doenças crônicas, como problemas cardiovasculares e diabetes, são mais vulneráveis a desenvolver formas mais graves de doenças. BBC News Brasil - E o que não sabemos sobre ele ainda? Barbosa - Precisamos ter mais informações sobre a real capacidade de transmissão. Para este vírus, com os dados que temos hoje, uma pessoa é capaz de infectar uma ou duas outras pessoas. Isso aponta para uma capacidade limitada de transmissão, quando comparamos com outros vírus que têm uma capacidade de dispersão muito maior como os de sarampo e alguns tipos de gripe. Mas ainda é cedo para afirmar isso com segurança. Já há quem fale em capacidade de transmissão de duas a cinco pessoas. Mas são previsões com um intervalo de confiança alto. Inclusive, existe a hipótese de que transmissão possa ocorrer no período de incubação [entre o contágio e o surgimento dos primeiros sintomas], mas precisamos de mais tempo para estabelecer se isso é possível e o impacto disso em saúde pública, porque pode ser algo que ocorra apenas com uma minoria dos casos. Só poderemos fazer afirmações a respeito disso com mais certeza após recebermos os dados que estão sendo coletados na China. Há centenas ou milhares de casos de contatos no país sendo monitorados, e, provavelmente, em duas ou três semanas vamos ter números mais confiáveis, porque, quando uma pessoa é infectada, ela pode levar de uma a duas semanas para apresentar sintomas. Esse rastreamento vai permitir estabelecer melhor a intensidade da transmissão desse novo vírus. Vemos ter mais casos confirmados nos próximos dias? Com certeza. Mas isso não significa que são novos casos de contaminação, mas casos suspeitos em que houve resultado positivo nos exames. A capacidade de fazer testes é cada vez maior, porque há mais laboratórios e máquinas dedicadas a isso, e isso eleva o total de casos. Também vai aumentar esse total porque a transmissão segue ocorrendo, e não há nenhuma evidência de que foi interrompida. Então, o número de casos vai crescer nos próximos dias, infelizmente. Mas não há como fazer uma previsão confiável neste momento de qual será a escala desse aumento. BBC News Brasil - O que torna este coronavírus preocupante? Barbosa - Como é um vírus novo e o surto ainda está muito no começo, temos que observar por mais tempo para ver se ele mantém o comportamento observado hoje. Nos últimos dias, por exemplo, a taxa de letalidade caiu, porque o número de casos aumentou muito, mas o número de mortes, apesar de ter crescido, não ocorreu na mesma proporção. Em uma doença como essa, no começo, vemos apenas os casos mais graves, que apresentaram sintomas e procuraram os serviços de saúde, por isso as estimativas são sempre provisórias em um estágio como esse. Além disso, como esse vírus começou a circular em uma região muito povoada da China, há muito trânsito de pessoas de lá para outros países do mundo. Então, o risco de se ter casos importados em qualquer país do mundo é muito alto. Essas características chamam atenção e tornam necessário que os sistemas de saúde de países de todo o mundo estejam em alerta. No mundo globalizado de hoje, é possível que chegue em qualquer país do mundo algum viajante que veio de uma área onde há transmissão. É importante estar alerta para detectar precocemente um caso e prevenir que se transmita para outras pessoas para evitar que haja surtos em outros países. Por enquanto essa transmissão ocorre apenas na China, em Wuhan, mas aparentemente já há transmissão em outras províncias. Temos uma comissão na China que está avaliando os dados e, uma vez confirmada a transmissão, todos os países do mundo serão informados ao mesmo tempo. BBC News Brasil - Até o momento, a OMS não determinou esse surto como uma emergência global. Por quê? E o que é necessário para que seja configurada uma? Barbosa - Pelo regulamento sanitário internacional, uma emergência internacional deve ser decreta só após ser ouvido um comitê de especialistas que faz uma recomendação para o diretor-geral. O comitê se reuniu duas vezes e concluiu que são necessárias mais informações que comprovem ser necessária uma coordenação internacional de esforços para conter o surto e que a China sozinha não teria condições de fazer isso. Foi reconhecido que há uma emergência de saúde pública na China. Há também uma situação de risco no mundo inteiro, porque hoje temos um grande intercâmbio de pessoas por viagens internacionais. Mas o fato de não ter decretado a emergência global não significa que a OMS não esteja atuando em alerta máximo. Por se tratar de uma doença nova, que exige uma busca por novas informações diariamente, foi emitido um alerta para todos os países. Não é necessário esperar a formalidade de decretar uma emergência global para que estejam preparados para agir. O alerta está dado. BBC News Brasil - O Brasil pode ser afetado por este surto? Barbosa - Nenhum país está protegido de receber um viajante que tenha o vírus, inclusive o Brasil. Os países precisam estar preparados, prestando informações aos viajantes e alertando seus serviços públicos e também os privados, porque muitas vezes viajantes internacionais recorrem aos serviços privados. É importante que os países tenham capacidade de realizar os exames para confirmar ou descartar um caso e, ao detectar um, tomar as medidas de contenção para evitar que o vírus se propague e que um caso importado se torne o primeiro caso de transmissão local. Mas, por enquanto, em todos os outros países, houve apenas casos importados, o que é uma boa notícia e um sinal de que os sistemas de vigilância estão alertas e atuando para fazer uma detecção precoce, que é chave para evitar que o vírus entre no país e provoque surtos. BBC News Brasil - Enquanto alguns países decidiram fazer a triagem de passageiros, o governo brasileiro descartou essa medida por considerá-la ineficaz. O senhor concorda? Barbosa - Todos os dados que acumulamos no mundo depois da Sars, da pandemia de influenza em 2009 e da Mers demonstram que a triagem em aeroportos consome muitos recursos materiais e tem uma eficácia baixíssima. Por exemplo, no caso da pandemia de 2009, estudos mostram que países que implantaram a triagem não tiveram nenhuma diferença em relação a outros países que não fizeram isso. É claro que dar informações nos aeroportos é importante. Mas o Brasil, até onde eu saiba, não tem voo direto de Wuhan. É uma situação diferente de países que têm, como os Estados Unidos. Embora nenhuma triagem de aeroporto seja 100% eficaz. A pessoa pode passar pela triagem sem ter sintomas, porque o vírus ainda está em período de incubação (quando não apresenta sintomas). É muito mais eficaz os serviços de saúde estarem alertas. BBC News Brasil - A China foi no passado recente o epicentro de epidemias de novos vírus. Por que estamos vendo mais uma vez a eclosão de um novo surto no país? Barbosa - A China tem determinadas características que favorecem esse tipo de surto de vírus que circulam em animais e que ocasionalmente contaminam seres humanos. É um lugar densamente povoado e onde há hábitos culturais que levam a um grande contato de pessoas com animais vivos. Tanto que o que se considera que pode ter sido o epicentro do surto é um mercado onde há circulação, abate e venda de animais muito intensos. Então, em países com estas características, é mais provável que haja esse salto da barreira entre espécies. Mas é importante lembrar que a pandemia de 2009 começou no México e que a de ebola também não teve nada a ver com a China. Precisamos ter cuidado para não caracterizar a China como a única fonte. Qualquer país pode ser fonte de uma nova doença. BBC News Brasil - Em 2003, a China foi criticada por ter demorado a informar a real gravidade da epidemia de Sars. Como o senhor avalia a reação do país desta vez? Barbosa - Até aqui, a China tem colaborado com a OMS. Notificou os casos, disponibilizou logo no começo de janeiro o sequenciamento genético do vírus, o que possibilita que vários países possam imediatamente fazer o diagnóstico para confirmar ou descartar casos. A China também recebeu uma comissão de técnicos da OMS, que está em Wuhan e em outras cidades para coletar novas informações e evidências. Mas não é muito apropriado comparar aquela situação com o que ocorre agora porque foi aprovado em 2005 um novo regulamento sanitário internacional. Até então, um país não era obrigado a informar quando detectava uma doença nova. Havia uma lista muito curta de doenças, como peste, cólera, varíola, em que a notificação era obrigatória. Depois disso, qualquer nova enfermidade que possa ser uma ameaça e se disseminar globalmente deve ser notificada. As regras do jogo mudaram. BBC News Brasil - Existem muitos vírus ainda desconhecidos? Barbosa - Ah, sim, infelizmente temos, porque há vírus que têm a capacidade de ter pequenas mutações e criar ramos com características diferentes. Por isso, em locais onde há mercados com presenças de animais, é preciso ter um cuidado especial e tratar a possibilidade de transmissão de doenças entre animais e humanos de uma forma mais abrangente. Neste caso, é um vírus novo. Ele provavelmente surgiu no ano passado, ele já existia e deve ter produzido poucos casos e casos leves em uma região distante e que ninguém percebeu. BBC News Brasil - O que podemos esperar desta epidemia nos próximos meses? Barbosa - Nossa expectativa é que as medidas extraordinárias e inusitadas que a China tem tomado sejam capazes de controlar esse surto na fonte. O país está fazendo um esforço tremendo de mapeamento de contatos, fechou o mercado em Wuhan. A China praticamente colocou em quarentena uma região que tem perto de 40 milhões de habitantes. É uma medida que está sendo tomada pela primeira vez na história. Nunca se fez isso no mundo nesta escala. Nunca vimos uma cidade inteira em quarentena como agora. Mas precisamos ser prudentes, porque se trata de uma situação nova. Temos que vez se essas ações serão eficazes para conter ou cessar a transmissão e se serão sustentáveis ao longo do tempo. BBC News Brasil - É possível prever quanto tempo este surto vai durar? Barbosa - Não, é completamente impossível fazer qualquer previsão agora. BBC News Brasil - Veremos a eclosão de novas epidemias num futuro próximo? Barbosa - Possivelmente, sim. Não é algo que acontece todo dia, mas, quando olhamos para os últimos 30, 40 anos, vemos que há a possibilidade de que isso ocorra mais para frente. Os vírus vão continuar a existir. Novos vírus de influenza aparecem todos os anos, porque têm a característica de sofrer mutações muito rápido ? e também já vimos que os coronavírus também têm, porque, no intervalo de 16 anos, é o terceiro desta família de vírus que surge. Então, é possível que isso ocorra de novo daqui a um ano, 10 anos ou 50 anos, é impossível prever exatamente quando. E não há nenhuma medida que possa eliminar essa possibilidade. BBC News Brasil - Estamos preparados para combatê-las? Barbosa - Creio que o mundo está muito melhor preparado do que no passado. Aprendemos muito com os surtos anteriores, mudamos o regulamento sanitário internacional, os países fortaleceram suas capacidades de vigilância epidemiológica e de diagnóstico laboratorial. Mas é preciso nos manter alerta e fazer revisões dos planos nacionais de emergências de saúde pública para que, quando ocorra uma emergência real, tudo esteja pronto para ser colocado em prática de forma eficiente. PODCAST VÍDEO Pequim confirma primeira morte pelo novo coronavírus; vítimas fatais passam de cem Initial plugin text
    • 28/01/2020 12:15
      VÍDEOS: BDSC desta terça-feira, 28 de janeiro
    • 28/01/2020 12:14
      Cobra jiboia de 1,5 metro é capturada dentro de vila na Grande Natal
    • 28/01/2020 12:13
      MP investiga se há ilegalidades em contrato para aluguel do novo prédio da Câmara de Palmas